quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Cantoria e Embolada - Textos e atividade


Texto 1

A CANTORIA É CULTURA E DEVE SER ACOLHIDA, DECANTADA
José de Sousa Dantas, 2005 

CANTORIA é um misto 
de cultura, diversão, 
talento, arte e beleza, 
empatia, tradição, 
encanto, luz e magia, 
novidade e harmonia, 
conhecimento e magia, 
desafio e alegria 
eloqüência, integração, ....... 

A CANTORIA É CULTURA, 
que eleva, promove, ensina, 
desperta, envolve, interage, 
encanta, inspira, fascina, 
surpreende, comunica, 
contribui, dignifica, 
beneficia, edifica, 
emociona, ilumina,...... 

Tem MOTES apresentados, 
importantes, sugestivos, 
distintos, metrificados, 
inéditos, criativos, 
inspiradores, cantantes, 
verdadeiros, construtivos, 
poéticos, inteligentes, 
atuais e pertinentes, 
agradáveis, instrutivos,....... 

Na CANTORIA há lição, 
conhecimento, surpresa, 
improviso, sutileza, 
filosofia, emoção, 
trabalho, composição, 
autêntica, metrificada, 
com a rima encadeada, 
na melhor desenvoltura, 
A CANTORIA É CULTURA 
E DEVE SER DECANTADA.

Texto 2

Debate ou peleja em versos improvisados por uma dupla de repentistas ou poetas cantadores (como alguns chamam), a Cantoria é uma manifestação artística que possui suas raízes bem fincadas nos estados de Pernambuco e da Paraíba, e ainda se dissemina por todo o Brasil. 
A cantoria é uma forma poético-musical com gêneros diversos, como a quadra, pé-quebrado, quadrão, sextilha, sete linhas, décima, martelo alagoano, galope à beira mar, dentre tantos outros. 
Diferente de outras manifestações artísticas que se utilizam da palavra falada/cantada e escrita, a cantoria possui características próprias no que diz respeito a sua realização. Primeiramente, os repentistas ou poetas cantadores devem dispor de um local previamente determinado em que a disposição de mesas e cadeiras favoreça os poetas para a ocasião da cantoria. 
Outro ponto importante é a fidelidade às regras dos gêneros escolhidos, pois os cantadores não saem simplesmente rimando versos aleatoriamente. Antes disso, é fundamental que o cantador saiba quais são os gêneros, o que é um mote, e conheça as regras da cantoria. 
Nas salas onde a cantoria é realizada, deve haver algum recipiente (um pires, um prato ou bandeja) para recolher as contribuições dadas pelos espectadores que depositam qualquer valor, de acordo com suas posses. Algumas vezes, os cantadores mencionam o nome de um ouvinte em especial, para que ele faça uma contribuição mais robusta. 
Contudo, modernamente, e com os esforços de muitos poetas cantadores, em especial o poeta Ivanildo Vila Nova, a cantoria alcançou a profissionalização. Antes, o cantador não tinha horário fixo, cachê fixo, mas, com a profissionalização, agora o cantador tem tempo determinado de participação, contribuição/recolhimento de FGTS, além de outros benefícios. 
Com isso, a cantoria atingiu também o status de "show" cultural. Com essa valorização, o cantador não se limita a se apresentar apenas em bares, salões, fazendas, como era antigamente, mas os grandes teatros e casas de espetáculos abriram as portas para a cantoria. 
Antigamente, os desafios mais célebres, e que tiveram repercussão, eram transcritos em livretos e vendidos nas feiras. Havia ainda a divulgação em difusoras, quando da ocorrência de uma peleja com cantadores famosos que chegavam em uma cidadezinha. Isso era feito para atrair a população para assistir ao desafio. As vezes, dada a fama de uma ou outra dupla, pessoas se deslocavam a pé, em montarias, de carro-de-boi, ou qualquer outro meio de transporte, para assistir aquele memorável evento. 
Era comum na cantoria o intervalo entre uma e outra sequencia de versos, nos quais os cantadores se refaziam bebendo cerveja, cachaça, refrigerante, suco ou café. Ainda trocavam palavras com os presentes. 
Normalmente, os cantadores iniciavam suas apresentações com assuntos decididos por eles ou por sorteio. Usavam preferencialmente as Sextilhas. Em seguida, ficavam a disposição dos espectadores para a escolha do gênero ou dos temas. 
Com relação aos temas, há uma enorme gama de assuntos. São estórias de Trancoso, de cangaceiros, de heróis, da seca, do amor, da Bíblia, de política, etc. ou simplesmente de coisas que vão acontecendo na hora da apresentação, algumas vezes mudando até o tema proposto inicialmente. Porém, o que animava a cantoria era mesmo a disputa com troca de ofensas, a excentricidade, a sátira política e os comentários humorísticos. 
Apesar da riqueza poética e musical desta alta manifestação da cultura popular, há ainda muita resistência dos mais jovens, de alguns críticos e puristas em difundir nas escolas esta rica cultura da cantoria e do repente, por conseguinte. 
Uma das formas de divulgação dessa cultura continua sendo a realização de festivais. Nesses eventos, existe uma mesa julgadora composta por apologistas, artistas, poetas, os quais conhecem a fundo todas as regras e modalidades. Os critérios por eles analisados são: métrica, rima, assunto e desenvoltura.

Fonte: FRANÇA, Marcos. Para rir até chorar com a cultura popular. 2006

Texto 3


Embolada

"A embolada é um gênero musical de origem nordestina e tem como principal característica o curto intervalo entre as palavras e os versos, criando assim, uma melodia quase que totalmente oratória. Geralmente é feito de improviso quando do encontro de dois emboladores em uma feira, por exemplo. Na maioria das vezes a letra é satírica, cômica e descritiva. O ritmo tende a aumentar de velocidade, o que dificulta a dicção e o improviso."

Fonte: http://cordeleviolaoderua.arteblog.com.br/209625/EMBOLADA/


 
SUGESTÃO DE ATIVIDADE
(Para 5º e 6º anos)

1. "O nosso estilo é a embolada, pois fazemos versos improvisados ao som do pandeiro e do ganzá, só que a gente inclui outros instrumentos nos shows, como violinos, cavaquinho, bateria, baixo, guitarra, flauta e muita percussão.Tudo na medida, sem prejudicar a essência de cantador de rua, que faz também baião, aboio e forró. Criam rimas com os sons das palavras sobre o cotidiano e situações maliciosas - motes tradicionais da cultura nordestina”. (Castanha, da dupla Caju e Castanha)

Pelo trecho da fala do embolador Castanha, reproduzida acima, podemos entender que:
a. Os emboladores tocam sempre com uma viola.
b. Violino, guitarra, baixo e bateria são instrumentos característicos da embolada.
c. Os emboladores tradicionalmente se utilizam de pandeiro e ganzá nas suas apresentações.
d. A embolada é uma manifestação da música popular brasileira (MPB).

2. A embolada, assim como a Cantoria, é uma manifestação da cultura popular originalmente:
a. Do Sudeste
b. Do Norte
c. Do Nordeste
d. Do Centro-Oeste

3. Em uma cantoria:
a. Os cantadores vão rimando de qualquer jeito sem se preocupar com rimas
b. O ambiente não precisa estar organizado, pois pode-se cantar de qualquer forma.
c. Não há regras. Portanto não precisa se preocupar com regras do gênero.
d. Os cantadores obedecem a uma estrutura rítmica de acordo com o gênero do poema escolhido.

4. Explique a diferença entre cantoria e embolada.

5. Pesquise e escreva o nome dos principais gêneros da Cantoria.

6. Pesquise e relacione o nome dos mais famosos poetas cantadores e emboladores do país.


Além dos textos, o professor também pode apresentar um desses vídeos abaixo, ou todos eles, e propor uma discussão mais abrangente com os alunos, antes de aplicar alguma atividade. Pode ainda adaptar a atividade e a proposta como um todo para trabalhar com turmas do ensino médio.


Trechos  do documentário "Poetas do Repente", produzido pela TV Escola.




sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Jogo rápido: Período Composto por Coordenação

PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO

Período composto por coordenação é aquele constituído por orações sintaticamente independentes, que se apresentam organizadas em uma sequência.

Exemplos:
  • Vim, vi, venci.
  • Estudo, trabalho e viajo.
  • Trabalho, viajo e estudo.
  • Viajo, estudo e trabalho.
  • Paulo está muito doente, logo não vai trabalhar.


Leia atentamente a charge:
Oração 1: Solta isso, menino,
Oração 2: Tu quer* morrer? 

*No padrão culto, recomenda-se o uso de "queres" para a correta concordância..

As orações em um período composto podem estar ligadas com ou sem a presença de uma conjunção.
Se estiverem ligadas sem conjunção, são assindéticas. Se estiverem ligadas por uma conjunção, são sindéticas.

Exemplos:

  • Leio, escrevo, tenho minhas próprias ideias.
  •  A mente é forte, mas a carne é fraca.


Sentido das orações coordenadas

Aditivas: estabelecem ideia de adição, soma.
Exemplo:
  • Não venderemos a casa, nem (venderemos) o carro.
  • "Primeiro vem um e fala que não tem segurança"


São conjunções aditivas: e, nem, mas, também.


Adversativas: estabelecem oposição, adversidade.
Exemplo:
  • Gostaria de ter ido ao cinema, mas não tive tempo.
  • Gostaria de ter ido ao cinema, porém não tive tempo.


São conjunções adversativas: mas, porém, todavia, contudo, entretanto, no entanto.


Alternativas: estabelecem alternância.
Exemplo:
  • Siga o mapa ou peça informações.
  • "Cuidado onde pisa, ou a terra o engolirá".


São conjunções alternativas: ou...ou, ora...ora, já...já, quer...quer, siga...siga.


Conclusivas: estabelecem conclusão.
Exemplo:
  • São todos estúpidos, portanto não vão entender.
  • "Penso, logo existo..."


São conjunções conclusivas: portanto, logo, por isso, pois, assim.


Explicativas: estabelecem explicação.
Exemplo:
  • Você só sentiu frio, porque estava sem agasalho.
  • "Se prepara porque vamos curtir umas férias"
  • "Se prepara pois vamos curtir umas férias"


São conjunções explicativas: que, porque, pois, porquanto.




segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Software e livros para projetos de leitura utilizando o Tablet Educacional

Este ano, pretendemos desenvolver mais uma vez o projeto do Clube de Leitura Conselheiro José Braz do RêgoO referido projeto foi um dos premiados no ano de 2013 pelo Governo da Paraíba no Mestres da Educação.

No entanto, este ano utilizaremos o Tablet Educacional como auxiliar nas atividades do Clube. Para tanto, devido a mui proveitosa experiência de leitura que tivemos em 2013 com a utilização do software Moon+ Reader, faremos uso deste aplicativo que, em nossa modesta opinião, é um dos melhores apps gratuitos para leitura em tablets.

Como tivemos muitas dificuldades com relação à disponibilidade e quantidade de exemplares de alguns livros da biblioteca de nossa escola no ano passado, resolvemos, desta feita, também recorrer à internet como auxiliar para resolver este problema. Com um pouco de pesquisa, encontramos um ótimo site que disponibiliza livros gratuitos para download: o lelivros.info. Nele, podemos baixar livros dos mais diversos autores (brasileiros, portugueses, ingleses, americanos, franceses, japoneses etc), mas tudo em português.

Então, você me pergunta: 

- Isso aí é a pirataria? (Com relação aos livros).

Eu te respondo: 

- O imposto sobre o preço do livro no Brasil é um assalto. Livros são caros. Nosso país vai de mal a pior na avaliação de leitura do PISA. Os gestores não estão nem aí se os nossos 50 ou 60 alunos por sala de aula têm condições de comprar um livro. Quando surgem recursos para comprar livros para as bibliotecas das escolas, compra-se um exemplar de um livro para uma escola com 900 alunos. E você vem me perguntar sobre pirataria? 
- Não vou nem me dar o trabalho de responder.

Enfim, vamos ao que realmente interessa!


Moon+ Reader 



  • Este aplicativo suporta epub, mobi, além de outros formatos, exceto PDF (mas, no Google Play também tem disponível gratuitamente o complemento para ler livros em PDF);
  • Nas opções visuais, tem recursos como espaçamento de linhas, escala da fonte, negrito, itálico, sombra etc.
  • Possui função de troca entre modos "Dia" e "Noite".
  • Tem 24 operações personalizáveis, aplicáveis a 15 eventos personalizáveis: procurar, marcar página, temas, navegação, tamanho de fonte e outros.
  • E tem muitos outros recursos.

Vejamos algumas imagens do programa em ação:


Menu principal.
Menu de capítulos.

Capa do e-book.




Um leve toque na tela aciona o menu em que você pode
escolher o modo de visualização, a intensidade de luz,
o menu de capítulo, além de outras opções.

Você pode baixar o Moon+ Reader gratuitamente no Google Play.
Moon+ Reader no Google Play
Clique na imagem para ir para a loja do Google.


Livros (e-book) Grátis para Download 


 Lê Livros


No site, de cara você já vê as capas de diversos livros. 


Basta clicar em uma das imagens que será redirecionado para uma nova página, com uma breve descrição do livro e os links para fazer o download.




Simples assim! 

Boa leitura!

Projeto: Contos de Fadas e Intertextualidade - Ebook "Chapeuzinhos et cetera e tal"

Neste post, compartilho com vocês o resultado do Projeto "Contos de Fadas e Intertextualidade". 


Ebook: Chapeuzinhos Et Cetera e Tal



Clique aqui para fazer o download do ebook.
 E-book Chapeuzinhos Et Cetera e Tal


sábado, 18 de janeiro de 2014

Projeto: Contos de Fadas e Intertextualidade - Parte V

Procedimentos Metodológicos

Aulas 11 e 12

Preparação:


De posse de todas as fichas utilizadas pelos alunos na coleta dos dados com os professores entrevistados, crie um documento no Microsoft Excel com as informações obtidas, para poder, a partir desses dados, criar os gráficos que mostram os resultados da pesquisa. 

  • Lembre-se que esta atividade pode ser feita em conjunto com os alunos na sala de aula (Mas isso fará com que seja necessário ampliar o número de aulas desse projeto). Certamente que muitos deles podem saber utilizar o Excel com maior habilidade, ou podem conhecer outro software com as mesmas funcionalidades. Além disso, os alunos se sentirão mais valorizados por fazerem parte do processo de produção.


Sugestão:

Exemplo 1
Clique na imagem para vê-la ampliada.

Exemplo 2



Nestas aulas, com todos os textos dos grupos revisados, digitados e copiados, organize as carteiras em círculo, distribua as cópias dos contos e faça uma roda de leitura com os alunos. 
  • Se os alunos tiverem o Tablet Educacional, compartilhe o arquivo (.doc ou .PDF) dos textos via Bluetooth ao invés de distribuir as cópias impressas.
  • Aproveite este momento para, também, verificar se não ficou nenhum problema nos textos que precise de correção.


Reserve os 15 minutos finais da última aula (se possível) para planejar com os alunos a produção de um e-book com os textos deles. Convide aqueles alunos(as) que adoram desenhar, para fazer o desenho da capa e as ilustrações dos contos.

Desenho do aluno Tiago Gomes, 1º ano B - 2013.

Como sugestão, organize todos os textos em um único arquivo do Microsoft Word:
  1. Insira a imagem da capa na primeira página (Se você ou algum aluno tiver domínio de algum software de edição de imagens, utilize-o para editar uma capa bem bonita).
  2. Coloque o nome dos envolvidos e suas funções.
  3. Faça uma boa apresentação do projeto.
  4. Insira o sumário.
  5. Organize os textos (com os nomes dos autores).
  6. Inclua algum texto seu, professor, com a mesma temática.
  7. Caso ache necessário, produza um capítulo com o relatório do projeto desenvolvido.
  8. Finalize, salvando como PDF (baixe o complemento da Microsoft para salvar como PDF, clicando aqui) e compartilhando com os alunos da turma e, se quiser, de toda a escola (você pode disponibilizar o e-book no grupo do Facebook de sua escola - se tiver um)

  • Caso queiram e encontrem algum apoio da direção da escola, organize um momento para o lançamento do e-book. Um bolo simples e alguns salgados, acompanhados daquela Coca-cola bem geladinha "cai bem demais". Este momento servirá para estreitar ainda mais o relacionamento com os alunos e também como prêmio para todos pelo sucesso do projeto.


E fim!


Em breve, faremos um tutorial detalhado sobre como preparar uma apresentação na sala de aula utilizando o Teatro de Sombras.

Apresentação do Teatro de Sombras

Um grande abraço e muito sucesso!

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Jogo rápido: Frase - Oração - Período

Frase: é o enunciado linguístico que, independentemente de sua estrutura ou extensão, traduz um sentido completo em uma situação de comunicação. O início e o fim da frase são marcados, na fala, por uma entonação característica e, na escrita, por uma pontuação específica. A frase pode ter uma palavra ou várias. Pode apresentar verbo ou não.

Exemplos:
  • Silêncio!
  • E agora o quê?
  • Aonde vai com tanta pressa?
  • Oi.
  • “O bicho, meu Deus, era um homem” (Manuel Bandeira)
  • A arte de inventar o passado.
  • "Contas. Mais contas. Outras contas. Décimo terceiro."




Frases Nominais: não possuem verbo.

Exemplos:
  • Silêncio!
  • Oi.
  • Bom dia!
  • Mercadinho São Paulo: preço baixo todo dia.


Frases Verbais: possuem verbo.

Exemplos:
  • Aonde vai com tanta pressa?
  • “O bicho, meu Deus, era um homem” (Manuel Bandeira)
  • A arte de inventar o passado.


Além da classificação em nominais e verbais, as frases podem ser classificadas em:

Frases declarativas: o emissor constata um fato.

  • Ele já chegou.
  • Fizeram-no sair.
  • Hoje eu acordei muito triste.


Frases interrogativas: o emissor da mensagem formula uma pergunta.

  • O que queres que eu te faça?
  • Quem foi que disse que eu sei?
  • Ele já mandou o e-mail?


Frases imperativas: O emissor dá uma ordem ou faz um pedido.

  • Pare já com isso!
  • Venha já aqui!
  • Dê-me uma mãozinha!


Frases exclamativas: O emissor exterioriza um estado afetivo.

  • Mas que coisa chata!
  • "Que calor da mulesta!"
  • Nossa! Que lindo!




Oração: é um enunciado linguístico que apresenta uma estrutura caracterizada sintaticamente pela presença obrigatória de um predicado. O predicado é introduzido, na língua, por um verbo. Por esse motivo se diz que toda oração precisa ter um verbo (ou que o verbo é o único elemento essencial da oração). 
A oração apresenta, na maioria dos casos, um sujeito e vários outros termos complementares.

Exemplos:
  • Corram!
  • Nós compramos livros muito interessantes.
  • Chove muito em Campina Grande.
  •  Espero que Eduardo venha amanhã.
  •  Se você já é cliente, disque  um.
  •  Se quer fazer algum elogio, disque dois...
  • “Pois bem, essa é a política da empresa. Se estiver de acordo, a vaga é sua.”





Período: é o enunciado de sentido completo constituído por uma ou mais orações. Pode ser simples (formado por uma oração), ou composto (formado por duas ou mais).


Exemplos:


“Atenção!” – frase nominal.
“O blog mudou de endereço” – período simples
“Agora é www.blogdoorlandeli.zip.net.” – Período simples

Agora se juntássemos em um único enunciado, poderia ficar:

Preste atenção, pois o blog mudou de endereço e agora é www.blogdoorlandeli.zip.net.” – período composto




Referência Bibliográfica:

ABAURRE, Maria Luiza M., ABAURRE, Maria Bernadete M. e PONTARRA, Marcela. Gramática: Texto: Análise e Construção de Sentido - Vol. único. 2ª ed. São Paulo: Moderna. 2012. pp. 372-377.

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Projeto: Contos de Fadas e Intertextualidade - Parte IV

Procedimentos Metodológicos
Ilustração: Kleber Brito

Aulas 5 e 6

Diante de todas as informações que já foram compartilhadas com os alunos nas aulas anteriores, o professor pode iniciar estas aulas fazendo um breve resumo (oralmente) sobre os contos de fadas e a influência deste gênero sobre outras mídias, para, logo em seguida, questionar qual a versão mais conhecida: Grimm ou Perrault? Livro ou Desenho Animado? Filme? Assim, ao perguntar aos alunos "Qual a versão deste conto de fadas que vocês acreditam ser a mais conhecida?", surgirão respostas imediatas, mas que não terão (presume-se) nenhuma base real conhecida pelos alunos. Desse modo, o professor precisa propor aos alunos que façam uma pesquisa com professores e/ou funcionários da escola, especificando um turno, "Manhã", por exemplo, para que o trabalho não seja muito extenso e cansativo, para saber qual a versão da história da Chapeuzinho Vermelho é a mais conhecida, dentre outros dados.

Na sala de aula, o professor deve elaborar, em conjunto com os alunos, algumas perguntas que queiram fazer aos entrevistados. Deve traçar detalhadamente o processo desde o contato inicial dos alunos com os entrevistados, a entrevista e a coleta de dados. 

É importante que o professor oriente os alunos em como fazer a abordagem, o que deve ser explicado sobre esse trabalho, como se expressar oralmente diante de um interlocutor que, supostamente, tem domínio da norma padrão da língua portuguesa, como falar com coerência e clareza de ideias, e como registrar as respostas dadas pelos entrevistados (utilizar gravador de voz do aparelho celular ou filmar a entrevista? - com a devida permissão do entrevistado, caso ele não permita anotar a lápis).

Com relação às questões e aos tópicos mais relevantes sobre os quais os alunos tiverem dúvidas, é bom o professor anotar no quadro e pedir que todos alunos também o façam. Dê espaço para que os alunos façam intervenções e, se quiserem, revejam a possibilidade de alterar as questões propostas para a entrevista.

Dadas todas as instruções, os alunos, reunidos em grupos de até 5 componentes, deverão ir a campo para realizar as entrevistas. O professor precisa listar os professores e/ou funcionários que serão entrevistados e definir antecipadamente quais grupos entrevistarão quais professores. 

De posse das questões anotadas, digite as questões e imprima cópias para os grupos, a serem distribuídas no próximo encontro.

  • O professor pode pular toda esta etapa e já entregar as questões elaboradas, mas vai tirar, certamente, toda a graça de produzir as questões com os alunos em sala de aula e de ouvi-los durante as discussões que poderão surgir dessas atividades.

Veja este exemplo que produzimos:


PROFESSOR ENTREVISTADO



DISCIPLINA QUE LECIONA






PERÍODO EM QUE OUVIU A HISTÓRIA PELA PRIMEIRA VEZ



NA INFÂNCIA



NA ADOLESCÊNCIA



JÁ ADULTO





A PARTIR DE QUE SUPORTE TEVE O PRIMEIRO CONTATO COM ESSA HISTÓRIA?



LIVRO



DESENHO ANIMADO



FOLHA AVULSA







TEM CONHECIMENTO DE MAIS DE UMA VERSÃO DO CONTO CHAPEUZINHO VERMELHO?






SIM


DUAS VERSÕES



MAIS DE DUAS VERSÕES



HISTÓRIAS ADAPTADAS PARA O CINEMA

 NÃO



Nesta parte, peça ao professor(a) entrevistado(a) que faça um resumo da história da Chapeuzinho Vermelho. Preste muita atenção e, enquanto ele conta a história, marque um X para cada um dos elementos que fizerem parte da versão por ele(a) relatada.

1. Na história contada pelo professor, Chapeuzinho é descrita como:


Criança

Adolescente

Adulta

2. Na versão do professor entrevistado, Chapeuzinho foi à casa da vovó levar:


Doces

Bolo

Frutas

Outro:


3. Segundo a versão contada pelo professor, o Lobo Mau:


Comeu a Vovó.

Engoliu a Vovó.

Devorou a Vovó.

Outro:

4. Em seguida, nessa versão, o Lobo:


Comeu a Chapeuzinho.

Engoliu a Chapeuzinho.

Devorou a Chapeuzinho.

Outro:

5. Na versão contada pelo professor, a Chapeuzinho Vermelho e a Vovó:


Sobrevivem

Morrem

Apenas Chapeuzinho sobrevive.

Outro:


6. Na história contada pelo professor, quem aparece para salvar a Chapeuzinho e a Vovó?


Um caçador

Um lenhador

Um camponês

Outro:





Aulas 7 e 8

Que tal um cineminha?




Importante:

  • Se você recebe um excelente salário (diferentemente da maioria dos professores), "compre agora mesmo" o DVD neste site: Saraiva (o filme até que não é caro, mas o frete é golpe baixo). Você pode optar pela versão digital.


  • Porém, se você é "professor contratado", como dizemos, e recebe aquele gordo salário mínimo (você, meu querido, já tem a minha admiração. É um herói), baixe o filme neste link.



Prepare uma caixa de som amplificada, aquele cabo de áudio P10/P2, o notebook (ou netbook), o projetor multimídia, a extensão para as tomadas e a pipoca, claro. (Se a cozinheira da sua escola for gente boníssima e a diretora também, pode trazer o milho e pedir para prepararem na escola. Pode combinar com os alunos de "racharem" aquela coca-cola geladinha). 

Como o filme é um pouco longo, converse com aquele(a) professor(a) camarada e faça uma permuta com ele(a), caso você tenha outro horário depois dessas aulas.

Lembre-se de assistir ao filme antes, em casa, e fazer anotações que considerar importante, para depois discutir com os alunos, ou sobre o enredo, ou personagens, ou alguma cena específica etc.


  • Caso queira, o professor pode pular esta etapa, mas perderá um momento ímpar com os alunos.
  • Se achar melhor, e os alunos tiverem o Tabblet Educacional, faça o download do filme e compartilhe com os alunos. Assim eles podem assistir ao filme em casa.


Antes de se despedir dos alunos, entregue as cópias impressas com as perguntas para as entrevistas.


Ilustração: Kleber Brito

Aulas 9 e 10

Nestas aulas, o professor dará espaço para que os alunos compartilhem as experiências que tiveram com as entrevistas. Para tanto, cada grupo escolherá dois representantes para falarem sobre as impressões dessa experiência. Lembre-se que isso é apenas uma sugestão, pois nada impede que todos os membros do grupo façam suas considerações.

Ainda neste conjunto de aulas, se houver tempo, o professor apresentará uma proposta de produção de uma nova versão da história da Chapeuzinho Vermelho. Produza você mesmo, professor, uma nova versão antecipadamente e, neste momento, apresente aos alunos oralmente. Use a sua criatividade e busque temáticas mais diversas e inusitadas para estimular os alunos. Você pode sugerir:

- Que tal criarem uma história sobre uma menina que ganhou do pai um "sapatinho vermelho"? Ou uma "melissinha vermelha"?

Ou, mudando a perspectiva:

- Imaginem um garoto que é fã de hip-hop e anda com as calças baixas, quase caindo, deixando à mostra seu "cuecão vermelho". Que tal escreverem esta versão?

Mas cuidado para não privilegiar apenas as suas ideias, professor(a). Deixe que os alunos, a partir de suas sugestões, escolham os temas.

Depois que os grupos escolherem seus temas, anote-os para seu controle. Não esqueça de determinar um prazo para a produção e entrega do texto. 

Como não serão muitos textos, leia-os, veja os problemas existentes, destaque-os e devolva aos alunos para reescrita.
Para facilitar o seu trabalho, peça para que eles entreguem o texto revisado e digitado em arquivo do Word via pendrive ou e-mail. (Isso ajudará muito na edição do e-book - mas isso é assunto para outro post)


  • Ao término da aula, recolha as folhas com as questões da pesquisa respondidas, para posterior análise dos dados.



Até o próximo post!